Tido como um ofício de alta complexidade, o trabalho docente tem o estresse como elemento intrínseco à profissão1. Além da demanda diária de planejamento, organização e avaliação, a docência exige habilidades de manejo da atenção e da emoção, normalmente negligenciadas tanto na formação quanto na capacitação continuada de professores e professoras.

Essa negligência tem seu preço. Vários prejuízos estão associados ao estresse e Burnout docente, entre eles:

  • agravos à saúde física e psicológica1
  • desistência do trabalho1
  • menor eficiência pedagógica1
  • oneração de recursos por afastamento

Tudo isso coloca os transtornos mentais entre os principais responsáveis pelos afastamentos de professores da sala de aula2.

A comunidade científica tem dado cada vez mais atenção aos programas de mindfulness para se contrapor a esse quadro. Além dos benefícios gerais observados em adultos, estudos, realizados na população docente, apontaram que as intervenções baseadas em mindfulness podem favorecer3:

  • regulação emocional
  • tolerância ao estresse
  • melhora de sintomas físicos
  • aumento de empatia
  • fortalecimento da atenção
  • melhor gestão de sala de aula
  • aumento de eficácia pedagógica

Esse leque de benefícios encorajou um financiamento de $ 3,5 milhões (mais de R$ 10 millhões), nos Estados Unidos, para aprimorar práticas de mindfulness entre educadores do ensino básico4.

Veja como podemos auxiliar equipes de educadores no manejo do estresse, no aumento da eficiência pedagógica e na promoção de bem-estar.

FONTES: 

1. Carlotto, M. S. et al. O papel mediador da autoeficácia na relação entre a sobrecarga de trabalho e as dimensões de Burnout em professores. Psico-USF 20, 13–23 (2015). Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-82712015000100003&lng=pt&nrm=iso&tlng=en

2. Diehl L, Marin AH. Adoecimento mental em professores brasileiros: revisão sistemática da literatura. Estud Interdiscip em Psicol [Internet]. 2016 [citado 24 de julho de 2017];7(2):64–85. Recuperado de: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/eip/v7n2/a05.pdf

3.

  • Luken M, Sammons A. Systematic Review of Mindfulness Practice for Reducing Job Burnout. Am J Occup Ther. 2016; 70(2):1-10. Recuperado de: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26943107
  • Taylor, C. et al. Examining Ways That a Mindfulness-Based Intervention Reduces Stress in Public School Teachers: a Mixed-Methods Study. Mindfulness (N. Y). No Pagination Specified-No Pagination Specified (2015). doi:10.1007/s12671-015-0425-4 Recuperado de: http://link.springer.com/10.1007/s12671-015-0425-4
  • Felver, J. C. & Jennings, P. A. Applications of Mindfulness-Based Interventions in School Settings: an Introduction. Mindfulness (N. Y). 7, 1–4 (2016). Recuperado de: http://link.springer.com/10.1007/s12671-015-0478-4

4. INSTITUTE OF EDUCATION SCIENCES. Improving Classroom Learning Environments by Cultivating Awareness and Resilience in Education (CARE): A Cluster Randomized Controlled Efficacy Trial. Disponível em: https://ies.ed.gov/funding/grantsearch/details.asp?ID=1233

Compartilhar:
Atendimento